Publicidade

Mostrando postagens com marcador covid-19. Mostrar todas as postagens
Mostrando postagens com marcador covid-19. Mostrar todas as postagens

Saiba mais sobre o mercado de trabalho para o segmento de estética e beleza, um dos mais promissores do Brasil



Pandemia da Covid-19 aqueceu ainda mais a área

Nos últimos anos, a área da beleza e estética têm crescido de maneira exponencial e nem mesmo a Covid-19 conseguiu reduzir o consumo de cosméticos, ainda que por meio das compras on-line.  Segundo Juliana Machado, coordenadora dos cursos de pós-graduação de Biomedicina da Unyleya, um dos legados que a pandemia deixará ao mercado são os cuidados com a beleza do rosto, uma vez que reuniões online acontecem de maneira frequente e este tipo de cuidado está sendo muito mais rotineiro e por muito mais pessoas.  Ela fala sobre o mercado de trabalho na área, perspectivas e dá dicas para quem deseja trabalhar na área.

A principal mudança que a Covid-19 trouxe no âmbito da estética foi nos olharmos mais frente a uma câmera, observarmos nossos trejeitos, modo de rir, e principalmente quando falamos. Isso fez com que homens e mais ainda as mulheres achassem queixas e incômodos em seus rostos, aumentando o tratamento de harmonização facial”, declara.

Segundo levantamento da Associação Brasileira da Indústria de Higiene Pessoal, Perfumaria e Cosméticos (ABIHPEC) o ano de 2020 registrou um crescimento de 5,8% no Setor de Higiene Pessoal, Perfumaria e Cosméticos. Esse percentual mostra que mesmo durante o período de pandemia e tantas adversidades o mercado da estética se mantém como um dos mais promissores do Brasil. Essa tendência se confirma no primeiro quadrimestre, com 5,7% de crescimento em 2021 segundo a ABIHPEC.

“Só consigo enxergar crescimento no segmento de estética. É um mundo que precisa muito ser explorado. Muitos estudos e descobertas ainda precisam acontecer para avançarmos com a tecnologia, tanto dos procedimentos como também de cosméticos. Muitas disfunções são de etiologias desconhecidas, não se sabe como são desenvolvidas, ou por que se manifestam”, complementa Juliana.   

Entenda como está o mercado de trabalho para o segmento

O mercado da estética oferece oportunidades a quem se capacita e busca novos conhecimentos, técnicas de aplicação e na apresentação da área para a sociedade, considerando uma forma moderna e inclusiva de entender a estética e a busca para enaltecer a beleza de cada pessoa.

O mercado de trabalho é amplo e o profissional pode atuar em clínicas de estética, spa, consultórios, salão de beleza, clubes e até mesmo em empresas.   Os pré-requisitos para as inúmeras vagas de trabalho são, principalmente, a graduação em uma área da saúde, com a devida especialização e cursos de atualização. Dessa forma, o profissional poderá se habilitar em órgãos como o Conselho Federal de Biologia e Biomedicina (CFBB).

A profissão oferece diversas possibilidades de atuação, seja como empreendedor ou prestador de serviço, com faixa salarial variável de acordo com funções e procedimentos realizados.

A beleza da área dos olhos em tempos de uso da máscara de proteção

Aprenda como cuidar dessa região e os procedimentos mais procurados
para valorizar o olhar
Fonte: Istockphoto


Com o cenário atual de pandemia, o uso da máscara de proteção já é um acessório que faz parte do nosso dia a dia, e a área do rosto que fica mais em evidência são os olhos. Para entender como cuidar e até realçar a beleza dessa região com a ajuda da estética médica, a dermatologista Ligia Colucci (CRM-MG 35387/RQE16917 ) esclarece o tema.

Segundo a médica, a área dos olhos é a região da pele mais fina e sensível, a pele possui menos de 2mm de espessura e, por ser um local muito delicado, sofre mais cedo com o processo de envelhecimento, tanto com a perda de gordura superficial, quanto de elasticidade.

Mesmo com o uso da máscara, não podemos deixar de manter a higienização do rosto com sabonete específico para cada tipo de pele, hidratar e reaplicar o filtro solar também nessa região. “Escolha um filtro oftalmologicamente testado, pois eles protegerão sem risco de reação. Noto em alguns pacientes a falta de reaplicação do filtro solar, por causa da máscara e uma maior valorização da área dos olhos com uso de maquiagem. Porém, é importante também retirar a maquiagem com produtos específicos antes de dormir”, revela a médica.

O olhar sempre foi importante na comunicação, porém agora não temos mais o sorriso e os olhos são o principal ponto de comunicação entre as pessoas. Segundo a dermatologista, com esse novo fator, houve um aumento na procura por procedimentos que valorizam essa área do rosto. “O procedimento mais procurado é a aplicação de toxina botulínica A seguido dos preenchimentos com ácido hialurônico. Há outros procedimentos que dependem da necessidade de cada paciente, como o ultrassom microfocado para ajudar na abertura ocular, estímulo de colágeno e associação com lasers, que também são coadjuvantes no tratamento. A avaliação em consulta irá determinar o que deve ser feito”, comenta Dra. Ligia.

Os sinais de envelhecimento como o famoso “pé de galinha” e as olheiras por estresse são queixas comuns no consultório. “O movimento constante ao sorrir e comunicar-se com quem está ao nosso redor pode levar à formação de marcas de expressão na região. Mas é importante lembrar que não somente o movimento repetitivo causa o problema. A perda do compartimento de gordura de toda a região da pálpebra inferior e lateral também resulta nas linhas de expressão e será somente resolvida com uso do ácido hialurônico para reestruturação da área, tratando então os “pés de galinha” e também as olheiras ou bolsas, caso haja indicação”.


Em alguns casos de excesso de pele, a doutora Ligia Colucci indica a beflaropastia, que é uma cirurgia plástica realizada nas pálpebras. Essa operação corrige o excesso de pele, gordura e flacidez muscular do território palpebral. “Após uma avaliação médica criteriosa, em alguns casos pode ser necessário uma cirurgia. Porém, mesmo depois da cirurgia, o paciente pode sim fazer esses procedimentos minimamente invasivos para manter os resultados” acrescenta a médica.

A dermatologista orienta que qualquer desejo de mudança estética deve ser acompanhado de uma avaliação médica e que não há uma faixa etária indicada para cada procedimento. “Gosto de falar que não existe idade ideal, mas indicação ideal e quem deve decidir em conjunto com você é seu médico de confiança”, esclarece a dermatologista.

Os procedimentos estéticos podem resgatar uma beleza original e a confiança de cada paciente, sem que se perca a naturalidade. Ser original também é encarar a mudança que desejar e se abrir para novas experiências, como o procedimento estético.

Coronavírus pode causar conjuntivite


Academia Americana de Oftalmologia atualiza dados e faz alerta
Conhecido por causar sintomas parecidos com os da gripe, doenças respiratórias incluindo tosse e falta de ar e, nos casos mais graves, pneumonia, dados mais recentes da Academia Americana de Oftalmologia apontam que o coronavírus também pode causar conjuntivite. 
Recentemente o Journal Medical Virology fez um estudo e apontou que dos 30 pacientes infectados pelo COVID-19 na China, 1 apresentou conjuntivite. “Este paciente tinha também o vírus SARS-CoV -2 em suas secreções oculares que deixa claro para nós que pode sim infectar a conjuntiva e causar conjuntivite”, explica o oftalmologista especialista em oculoplástica André Borba.
O contágio possivelmente acontece com o contato com a conjuntiva do olho, uma membrana que reveste a parte posterior da pálpebra e que tem a função de proteger o olho de corpos estranhos.
Outro estudo, desta vez do New England Journal of Medicine, os pesquisadores documentaram "congestão conjuntival" em 9 dos 1.099 pacientes (0,8%) com COVID-19 confirmado em laboratório em 30 hospitais da China.
Cuidados básicos como higienização das mãos, mas também de ambientes ainda é a recomendação. “Embora o índice de letalidade não seja impressionante. Casos globais: 90.870 -atualizado em 3 de março de 2020; fonte: OMS – com um total de mortes de 3.112 em 72 países diferentes, é importante monitorar e prevenir”, conclui Borba.

Fique em casa: cuide da saúde dos rins durante a quarentena


Consumir alimentos saudáveis reduz a ansiedade e aumenta a imunidade
A ordem é ficar em casa. Com a disseminação da COVID-19, o Coronavírus, o Brasil adotou medidas de saúde para controlar o avanço da doença, que atinge principalmente pessoas em grupo de riscos como idosos e doentes crônicos - hipertensos e diabéticos, incluindo também transplantados, que tem a imunidade mais baixa por conta dos imunossupressores. Como forma de evitar o contágio da doença, muitas empresas estão adotando o regime home office e as pessoas estão ficando em casa.
De acordo com Mayara Olikszechen, nutricionista do Ambulatório de Nefrologia da Fundação Pró-Renal, este é um momento em que as pessoas não vão se movimentar tanto e, consequentemente, vão ter menos sede, além de ter um aumento na ansiedade, fazendo com que comam mais, ingerindo alimentos industrializados, altamente calóricos e ricos em sódio, gorduras e açúcares. A consequência será um aumento de peso, glicemia e pressão arterial da população. “Quem é diabético e hipertenso deverá ter cuidado redobrado devido à possíveis mudanças na alimentação e inatividade física. Por incrível que pareça, muitas pessoas se alimentam melhor em restaurantes do que em casa, porque não gostam ou não tem hábito de cozinhar”, explica.  
Neste período, a nutricionista ressalta que cuidar da saúde dos rins é fundamental. O ideal é beber muita água por dia e cuidar com o uso de medicamentos sem receita, que podem lesionar o órgão. Ela também afirma que as pessoas podem incluir na dieta frutas, nos intervalos das grandes refeições, aveia, chia ou linhaça, que são ótimas fontes de fibras e proteínas e fornecem mais saciedade. “Outra ideia é cortar a cenoura em palitos e petiscar. Dá até para fazer um patê com ricota fresca ou creme de ricota e ervas finas”, recomenda Mayara.
Cuidados com as crianças
Já em relação às crianças, o ideal é incentivar a ingestão de líquidos, principalmente água, e o consumo de frutas e verduras, que reforçam a imunidade. “Os pais devem evitar oferecer refrigerantes e sucos industrializados que são ricos em açúcar, além de outros alimentos como salgadinhos, biscoitos recheados e guloseimas. Outra dica é aproveitar o tempo em casa e fazer receitas com os filhos, como, por exemplo, um bolo de cenoura mais saudável, omelete com legumes e sanduíches naturais”, destaca a nutricionista da Pró-Renal.
Quando procurar auxílio médico?
A Doença Renal Crônica (DRC) é assintomática, ou seja, difícil de perceber. Alguns sintomas como inchaços nas pernas e nos pés, aumento da pressão arterial, cansaço, urinar com menos frequência ou urina com espuma ou muito escura, fraqueza, náuseas, vômitos e perda de peso muito rápida podem indicar lesão renal. “É importante que neste momento delicado da pandemia da COVID-19, as pessoas não procurem atendimento por qualquer sintoma simples. Quem tem o contato pessoal de seu médico ou da equipe de saúde, pode tirar suas dúvidas antes de ter que se deslocar para tais locais de atendimento, impedindo o contágio/transmissão da doença e evitando sobrecarregar o sistema de saúde”, indica Mayara Olikszechen, nutricionista da Fundação Pró-Renal.
A Pró-Renal listou algumas dicas de alimentação saudável para fazer em casa durante a quarentena: 
  1. Beba muita água;
  2. Melhore sua imunidade, consumindo frutas e hortaliças diariamente;
  3. Inclua na alimentação o kefir ou Kombucha ou alimentos como batata-doce, batata yacon, alho, cebola, biomassa de banana verde, maçã com casca, chicória e aveia, pois têm função de equilibrar a microbiota intestinal, melhorando também a imunidade;
  4. Para reduzir o estresse e a ansiedade aposte no consumo de uma banana com canela em pó ao dia (sugestão como lanche da tarde, quando temos redução da serotonina, hormônio do relaxamento e prazer), coco natural em pedaços ou lascas de coco sem açúcar, abacate e chocolate com pelo menos 70% de cacau, quando sentir vontade por doces;
  5. Não abuse do consumo de farinha branca e alimentos açucarados, pois reduzem o status imunológico;
  6. Exercite-se em casa mesmo. Tem muitas academias que já disponibilizaram vídeoaula ou programas de exercícios para fazer na quarentena!

Como liderar uma equipe à distância com eficiência


Home Office muda a forma de trabalhar e é preciso se atualizar como líder
Com a recomendação para ficar em casa e evitar o contato com outras pessoas para prevenir a propagação da Covid-19, as empresas adotaram o Home Office, mas para muitas ainda é um desafio esse novo modelo de trabalho. Os líderes têm o papel de dar a direção e mostrar se todos estão no caminho certo, alinhados com as expectativas da empresa. Mas como fazer isso à distância?
Nessa hora todos passam pela adaptação a uma outra forma de trabalho e gestão. A liderança precisa garantir que todos saibam das suas atribuições, das metas e consigam produzir sem ninguém estar olhando. Muito diferente do modelo tradicional de trabalho com controle de horários para chegar e sair. Segundo Tathiane Deândhela, especialista em produtividade, é possível até que a equipe se torne mais produtiva sabendo que o que importa é a entrega de resultados e não o tempo trabalhado. “Se a pessoa trabalhou mais ou menos não importa tanto se no final o que todo líder quer é a entrega de resultados”, comenta Deândhela.
Confira os três conselhos da especialista, que já liderou uma equipe de 200 pessoas em sua carreira.
1 - Clareza da comunicação
Manter a comunicação entre gestor e equipe e até entre os integrantes é um ponto muito importante. Um aplicativo que ajuda muito nisso é o Trello. Todo o alinhamento fica organizado em um único lugar e evita que o líder precise cobrar pequenos passos. É possível ter uma visão geral de cada projeto e de cada um da equipe. Tudo o que puder ser feito para evitar o micro gerenciamento é importante.
2 – Ter uma rotina de reuniões periódicas
Reuniões são importantes para ajudar no foco e alinhamento de metas e expectativas de toda a equipe e dos gestores. Para reuniões eu recomento o Zoom, aplicativo para videoconferências. A dica é que tenha pauta e não seja muito extensa. Por exemplo, toda segunda-feira fazemos uma reunião para discussão das MCD (Metas Crucialmente Definitivas) para que o colaborador traga o que ele definiu como as três metas importantes dele para a semana e alinhamos juntos esse trabalho. Também revemos a semana anterior e o que cada um cumpriu do que havia sido definido. Isso nos ajuda muito, pois todos sabem o que está acontecendo e se comprometem.
3 – Manter a motivação e o incentivo
Sugiro sempre, nem que sejam 10 ou 15 minutinhos pela manhã, uma reunião de alinhamento. E o líder pode levar alguma história, metáfora, uma palavra de incentivo, uma boa notícia, um grito de guerra. Enfim, um começo positivo faz do dia mais produtivo.

Tathiane Deândhela
Especialista em Marketing pela FGV

Colapso na saúde, desemprego e recessão são as três maiores preocupações no enfrentamento ao coronavírus


Estudo realizado pela Demanda Pesquisa monitora o impacto das medidas de combate à pandemia na rotina do brasileiro
Entre os dias 18 e 21 de março, a Demanda Pesquisa e Desenvolvimento de Marketing entrevistou 1065 pessoas de todo o país. Os resultados identificaram os níveis de preocupação, de atitudes tomadas para prevenção e de informação acerca da pandemia da Covid-19 (coronavírus). O estudo tem nível de confiabilidade de 95% e margem de erro de 3%.
“Uma das armas contra a pandemia do coronavírus é a informação, por isso dedicamos nossa expertise em análise de informação e mapeamento de tendências para entendermos o verdadeiro impacto do coronavírus na vida das pessoas. Dessa forma, a Demanda pretende dar sua parte de contribuição ao país em um momento que exige união de todos”, explica Gabriela Prado, diretora executiva da Demanda Pesquisa, Desenvolvimento e Marketing.
Homens e mulheres têm diferentes preocupações
O que mais preocupa os brasileiros no período de pandemia é o colapso no sistema brasileiro de saúde, mencionado por 52% dos entrevistados. “A preocupação com algo que afeta o coletivo vem em primeiro lugar, antes do que reflete individualmente”, destaca Gabriela. Muito mencionados também são o temor pelo aumento do desemprego (50%) e uma eventual recessão econômica (43%), bem como a possível quebra de empresas (41%). Um ponto fora da curva nessa questão é o medo do desabastecimento: a paralisação na fabricação de produtos (6%) e a redução de oferta de produtos (6%) aflige pouco as pessoas.
Quando os grupos são separados por gênero, percebe-se uma diferença grande nas preocupações de homens e mulheres em alguns pontos. É possível identificar que as mulheres pensam um pouco mais na saúde enquanto homens pensam mais nas questões financeiras. Por exemplo, o colapso na saúde foi citado por 58% das mulheres e por 47% dos homens, já a falência das empresas foi lembrada por 39% e 43%, respectivamente.
Internet é o principal canal de busca de informação
Como canais de busca de informação sobre a pandemia e o coronavírus, a internet foi a mais citada, por 86% dos entrevistados, seguida pela TV (72%) e o jornal impresso (50%). A consulta a amigos e parentes (22%) ficou bem acima das entidades da saúde, como unidades do SUS (5%), hospitais privados (4%), hospitais públicos (3%) e clínicas privadas (2%).
Apesar da obviedade da internet figurar no topo da lista, Gabriela alerta que é um detalhe que merece atenção. “Sabendo que quase 3 em cada 4 brasileiros se informam pela internet, é um sinal de que o cuidado com informações erradas ou mesmo as fake news deve ser extremamente grande, começando dentro das casas e criando essa consciência nos cidadãos”.
Atividades ao ar livre foram as mais prejudicadas
Sobre as alterações de rotina, entre as maiores privações estão as atividades ao ar livre (87%), eventos (83%) e visita a bares e restaurantes (82%). Nos cuidados com a higiene, os hábitos mais inseridos no dia-a-dia das pessoas foram lavar as mãos com maior frequência (93%), evitar beijos e abraços (90%) e o uso do álcool gel (90%).
Mudanças também foram identificadas no abastecimento do lar. 36% dos entrevistados disseram que modificaram seu comportamento de compra adquirindo mais itens do que o normal. Entre os produtos que tiveram maior aumento de consumo estão os alimentos não perecíveis (76%), produtos de higiene pessoal (60%) e produtos de limpeza doméstica (56%). Já os medicamentos estão sendo mais estocados por 36% dos entrevistados.

Coronavírus e ansiedade


por Wagner Mota
Começo com uma pergunta: quais os valores mais importantes para você? Outra: na escala daquilo que é mais valioso para você; qual a ordem de importância?
Vamos citar alguns valores comuns a maioria de nós, sem ordem de relevância:
  • Amigos
  • Dinheiro
  • Trabalho
  • Diversão
  • Esportes e hobbies
  • Família
  • Viagens
  • Filosofias e religiões
Poderíamos continuar com uma lista bastante longa, sabemos que esses exemplos citados são muito importantes para uma vida interessante.
Um outro olhar
Por outro lado, a partir da proliferação do coronavírus em todo o mundo, sem distinção de classe social, ambiente, cultura, religião, filosofia, temos a oportunidade da reflexão para focar naquilo que realmente é essencial para a nossa vida: a saúde.
Experimente fazer uma representação, escrevendo um número zero (0) para cada um daqueles valores citados no início como: dinheiro, trabalho, amigos, família etc.
Após isso, escreva o número um (1) na frente de todos os zeros. Teremos um número grande. Agora, tome consciência de que este número um representa nossa saúde. Com ele, há um valor enorme com a junção de todos os outros zeros adicionados, posteriormente, mas se perdermos o número um perderemos aos poucos todo o restante, visto que seu valor sem o um é zero. O dinheiro, as viagens, a diversão, aos poucos tudo acaba sem a nossa saúde.
                                                          Como é valioso
Como vimos acima, o número um representa o que há de mais valioso e o que todos nós estamos buscando fortalecer neste momento: a saúde.
Com esse atributo, todos nós podemos buscar os demais, por exemplo, valorizar mais nossa família, espiritualidade, trabalho, compromissos com as instituições e com as pessoas.
                                                           Aprendizados
 Vamos aproveitar este momento para obter os aprendizados necessários. Nós estamos sendo autênticos? Estamos fazendo o nosso melhor? Lembro-me, neste momento, de uma palestra que participei por volta do ano 2000 em que o palestrante falou: “É através de nosso trabalho que nos tornamos parceiros de Deus”.
 Perguntas:
  • Nós estamos sendo parceiros de Deus?
  • Estamos colocando toda nossa atenção naquilo que estamos fazendo?
  • Quando alguém fala conosco, estamos plenos e prestando atenção ao que está sendo dito?
  • Estamos respeitando aquele ser humano à nossa frente, ou nem estamos escutando ativamente e estamos pensando na resposta que daremos?
  • Estamos escutando de verdade ou estamos só fingindo que estamos presentes, quando na verdade estamos “pré-ocupados” com diversas questões que muitas vezes nunca irão se concretizar?
Talvez, após passarmos por esta onda do coronavírus, possamos ser mais humanos, conscientes, atentos e menos ansiosos. A partir de uma consciência maior, podemos avançar e levar três perguntas para toda a vida:
  • Quem sou eu de verdade (Por que estou na Terra?)
  • Aonde quero chegar?
  • Como e a quem beneficiarei no caminho e ao chegar lá?
Não desista de buscar as respostas, pois, quando encontrá-las, nascerá de novo. Diga sim a você para ser feliz.
Wagner Mota é advogado, palestrante, instrutor de práticas meditativas e mentor de carreira, com MBA em Liderança, Inovação e Gestão pela PUC/RS.

Dicas para aproveitar o tempo em casa e turbinar os cuidados com a pele

Estar mais tempo em casa tem suas vantagens. 
Cuidados com a pele podem ser intensificados nesse período
Enquanto nos protegemos em casa sozinhos ou com a nossa família, podemos aproveitar para fazer muitas coisas que não fazíamos por falta de tempo. Uma delas é cuidar da nossa pele. Sabe aquela rotina de skincare que você nunca conseguiu fazer do começo ao final? Agora é a hora! A pele precisa de cuidados diariamente. Eles auxiliam não só na limpeza e na diminuição da oleosidade da pele, mas também na desobstrução dos poros, na hidratação, na proteção e no antienvelhecimento.
Com isso, a ISDIN, marca espanhola referência em dermocosméticos, separou quatro de seus produtos para montar uma rotina perfeita de skincare de qualidade e com ativos exclusivos. Confira o passo a passo:

Isdin Micellar Solution: Para começar, lavar o rosto é fundamental para a retirada de impurezas e oleosidade da pele. Feito isso, recomenda-se a aplicação do ISDIN Micellar Solution, água micelar 4 em 1 que limpa, demaquila, tonifica e hidrata a pele.
K-Ox EYES: Após limpar a pele, aplique ISDINCEUTICS K-Ox EYES no contorno dos olhos, com leves toques. Seus ativos exclusivos reduzem o volume das bolsas, clareiam as olheiras e ainda suavizam linhas de expressão. Os leves toques auxiliam na ativação da microcirculação.
Fusion Water FPS 50+: Para proteger a pele contra os raios UVA e UVB e luz visível, aplique o fotoprotetor solar facial ISDIN Fusion Water mesmo se for ficar em casa. Em duas versões, sem e com cor, ele possui textura ultraleve à base de água e a exclusiva tecnologia Safe Eye Tech™ que não arde nos olhos, ideal, inclusive para passar ao redor dessa região onde começam a aparecer as primeiras linhas de expressão.  
Skin Drops: Para finalizar, utilize ISDINCEUTICS Skin Drops, maquiagem líquida de cobertura adaptável que se adequa às diferentes necessidades: uma gota para uma maquiagem natural ou três gotas para alta cobertura (cobre até mesmo vitiligo e tatuagens!). Skin Drops possui textura leve, toque seco e fixação por até 12 horas. Indicado para peles normais e oleosas.

Publicidade

Publicidade