Carnaval: diversão sem colocar a saúde em risco

O texto a seguir foi escrito, enviado por uma assessoria de imprensa e publicado gratuitamente. 
O conteúdo não reflete necessariamente minha opinião sobre o serviço ou produto mencionado. 

A alegria do carnaval não pode ser interrompida por doenças, desconfortos e problemas de saúde, por isso, a prevenção é o melhor caminho.     Doenças sexualmente transmissíveis (DST's), como sífilis, aids, hepatite B, gonorreia, herpes genital/oral e gravidez indesejada são alguns dos riscos que os foliões estão expostos durante os quatro dias de festa. A boa notícia é que tem como evitar essas complicações com o uso de preservativos.
       Outro cuidado a ser tomado é quanto à mononucleose infecciosa, ou “doença do beijo”. A enfermidade é pouco divulgada e tende a ocorrer em homens e mulheres, na faixa etária de 15 a 25 anos, que, muitas vezes, nem sabem que estão contaminados. Os sintomas são semelhantes aos da gripe, mas a mononucleose se diferencia pelo aumento significativo dos gânglios e do baço, já que o vírus tende a aumentá-los. Estima-se que 80% dos adultos já tiveram contato com o vírus.
        Se a ideia é acompanhar os blocos de rua, ou mesmo, os bailes de Carnaval, é preciso dar atenção especial aos pés. Escolha um calçado confortável, já que é comum que o esforço prolongado provoque lesões nos tendões, tornozelo e joelho, inflamações e câimbras na região, além de irradiar dores na coluna, causadas pela falta de condicionamento físico e por calçados inadequados. Alongar braços, pernas e coluna, antes e depois de cair no samba faz toda a diferença.
        Além disso, folião que é folião não esquece de manter o corpo hidratado, isso é essencial para a saúde. Esta é a estação mais quente do ano, então é preciso ingerir muita água, principalmente para quem consumir bebidas alcoólicas. Em vez de hidratar, elas estimulam o organismo a expulsar a água do corpo pela urina, já que o álcool tem função diurética. A água participa de vários processos metabólicos, como a manutenção da temperatura do corpo, funcionamento dos rins e intestinos, por isso não pode ser negligenciada.
       A alimentação também é um ponto importante. É por meio dela que se obtém energia para aproveitar a festa. A orientação é tomar um bom café da manhã, com leite, suco de frutas e sanduíche, almoço simples composto, por exemplo, por arroz, salada e carne grelhada, e fechar o dia com um jantar leve. Lembrar que o ideal é se alimentar de três em três horas. Durante a festa, a opção é apostar em um lanche rápido ou uma fruta. Para aguentar o gasto energético, é recomendada a ingestão de carboidratos. Uma boa opção são as barras de cereais, pois além de práticas, são saborosas e possuem carboidratos e fibras. E não esqueça: ao se alimentar fora de casa observe as condições de higiene do local e se os produtos estão sob refrigeração. Depois de tomar estes cuidados, aproveite a festa e divirta-se!

Dra. Marta Fragoso, infectologista do Hospital VITA 






Compartilhe:

Postar um comentário